FESTA DOS VAQUEIROS

FESTA DOS VAQUEIROS
FESTA DOS VAQUEIROS CHORROCHO-BA

terça-feira, julho 12, 2016

MUDANÇA DE MARÉ: PARTIDOS LIGADOS A NETO DEVEM CRESCER EM NÚMEROS DE PREFEITURA.


Apesar de o PT ter o maior número, atualmente, de prefeituras na Bahia o cenário pode mudar após as eleições deste ano. Assim é o discurso dos presidentes estaduais dos partidos ligados ao prefeito ACM Neto, que pretendem expandir expressivamente o número de gestores municipais no estado. A conjuntura política atual somado ao enfraquecimento do PT e a popularidade do chefe do executivo da capital baiana favorecem as expectativas do grupo oposicionista ao governador Rui Costa (PT). 

Entre os principais partidos de oposição ao governo, o PMDB elegeu 45 prefeitos em 2012. O presidente da sigla na Bahia, deputado Lúcio Vieira Lima, não soube informar o número atual. Ele apenas afirmou que “entraram mais gestores na legenda do que saíram”. A meta para 2016, segundo Lucio, é chegar a 60 prefeituras. O PMDB, antes de romper com o governo Jaques Wagner em 2008, tinha mais de 100 prefeitos.

Já o partido Democratas é o que mais “sonha” alto. Segundo o presidente José Carlos Aleluia, a meta é “expandir expressivamente o número de prefeituras e ser a sigla com mais votos”. Conforme o secretário do partido, José Gama, o DEM elegeu nove prefeitos no pleito de 2012 e atualmente tem 12. “A meta é ultrapassar a casa dos 60, chegando até a 80”.

Ainda de acordo com ele, o Democratas vai lançar 120 candidatos em cidades “estratégicas”. “A articulação está sendo feita para unir a oposição e ultrapassar o partido do governo”. Entre as cidades estão Barreiras, Alagoinhas, Luís Eduardo, Salvador, Feira de Santana, Camaçari, Candeias, Santo Amaro, Madre de Deus e São Francisco do Conde. Publicamente eles não falam, mas nos bastidores é fato que a ideia é fortalecer o prefeito ACM Neto já visando uma possível candidatura em 2018 onde deve enfrentar Rui Costa na briga pelo Palácio de Ondina. 

O PRB atualmente tem três municípios e a pretensão, conforme o deputado Sidelvan Nóbrega, presidente da sigla em Salvador, é eleger entre 15 e 20. Já o PV tem duas prefeituras atualmente, em 2012 elegeu sete, porém perdeu cinco durante o mandato. De acordo com o ex-presidente estadual do partido Ivanilson Gomes, os prefeitos foram “pressionados a irem para a base do governo estadual”. A perspectiva dos verdes é chegar a oito este ano. Hoje, o partido tem 18 pré-candidatos.

Comando na Bahia

O levantamento feito pelo Bocão News mostra que os partidos que mais ampliaram o número de gestores municipais após o fechamento da janela partidária em março deste ano foram o PSD, que tinha 68 e hoje está com 80, o PR que de 16 pulou para 22, e o PSL que de dois foi para 17, conforme dados do Tribunal Regional Eleitoral e dos representantes das siglas.

Apenas seis partidos são responsáveis pela gestão de mais da metade das prefeituras da Bahia. PT, PSD, PMDB, PP, PR e PSB.


 

Base do governo estadual

O PT tem hoje 88 prefeituras, segundo o secretário de organização do partido, Hélio Santana. Em 2012 elegeu 96 e nesses quatro anos perdeu cinco prefeitos. 

Entre os partidos da base governista, o PSD em 2012 tinha 68, mas ampliou para 80. A assessoria do partido não informou qual a pretensão para 2016, pois o senador Otto Alencar, presidente da sigla, “considerou cedo falar em estimativa no momento”.

Já o PP elegeu 54 gestores em 2012, no entanto, após quatro anos esse número teve um acréscimo de três, chegando a 57. A meta para o pleito deste ano é atingir a marca de 70 prefeitos, conforme o deputado federal Cacá Leão.

O PCdoB se manteve com o mesmo número das últimas eleições, com 13 prefeituras no estado. Conforme o presidente do partido, deputado federal Daniel Almeida, nesses quatros anos a sigla perdeu um gestor e ganhou outro. Segundo Almeida, a meta para 2016 é dobrar o número de prefeituras.

“Temos 70 candidatos e pretendemos eleger 30”. O parlamentar apontou a “baixa” no PT para o fortalecimento do PCdoB. “O próprio ambiente político favoreceu a adesão ao PCdoB. Muita gente que tinha um posicionamento de esquerda acabou indo para o nosso partido”, pontuou. Ele citou as cidades de Itabuna, Camaçari, Juazeiro e Salvador, com chances fortes de vitória.  

O PR tem atualmente 22 prefeitos e pretende fazer entre 30 a 40 em 2016, conforme o presidente estadual, José Carlos Araújo. Em 2012 elegeu 16. O PSB tem 27 prefeituras segundo o partido. Ainda conforme a sigla, em 2012 elegeu 30. O número destoa do apresentado pelo TRE, 27 prefeituras. Para este ano o partido lança 100 candidatos com pretensão de eleger 50% do quadro.

Já o PDT tem 37 prefeituras, de acordo com dados de Felix Mendonça. Em 2012 elegeu 42 e para este lança 80 candidatos com a meta de eleger 30%.

O PSDB elegeu em 2012 oito prefeitos. Até o fechamento da matéria o partido não informou quantos municípios têm representantes atualmente e qual a perspectiva para este ano.

O PSL, que agora tem como líder o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Marcelo Nilo, fez duas prefeituras em 2012, e aumentou consideravelmente este número. Hoje tem 17. Segundo Nilo, meta é fazer entre 30 a 35 em 2016.

O curioso no estado baiano é que nem o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) nem a União dos Municípios da Bahia (UPB) monitoram o número de prefeituras que cada partido tem. No site oficial do TRE consta apenas os dados das eleições de 2012, já a UPB tem uma lista desatualizada.


Prefeitos que não concluíram o mandato

Alguns prefeitos eleitos no pleito municipal de 2012 não concluíram o mandato que encerra em dezembro deste ano. Os principais motivos são morte, renúncia ou cassação.

A ex-prefeita da cidade Madre de Deus, Carmen Gandarela (PT) renunciou o cargo, três meses após a posse, alegando motivos pessoais. O ex-prefeito de Cruz das Almas, Raimundo Jean Cavalcante Silva, também renunciou ao mandato em carta aberta à população, alegando problemas médicos.

Em São Francisco do Conde, a ex-prefeita Rilza Valetim morreu em 2014, aos 51 anos, na metade do mandato. A ex-gestora tinha anemia falciforme e faleceu devido a uma embolia pulmonar.

Já o deputado estadual Adolfo Menezes ganhou as eleições municipais em Campo Formoso, mas renunciou antes mesmo de tomar posse. Ele respondia a um processo judicial, acusado de fazer campanha fora do período determinado e poderia ter o pleito anulado. Assim, como diz o ditado popular “o seguro morreu de velho”, ele retornou a Assembleia Legislativa da Bahia, onde hoje é vice-presidente, já que se tomasse posse perderia o cargo de parlamentar.



Nenhum comentário: