CURSO

CURSO
DIA 01 DE OUTUBRO EM BELÉM DO SÃO FRANCISCO-PE

quinta-feira, novembro 24, 2016

DELAÇÃO DA ODEBRECHT DEVE ATINGIR CERCA DE 130 POLÍTICOS; TEMER E MINISTROS SERIAM CITADOS

Delação da Odebrecht deve atingir cerca de 130 políticos; Temer e ministros seriam citados

A delação premiada do cerca de 80 executivos da Odebrecht deverá atingir pelo menos 130 polítcos, entre deputados, senadores, ministros e ex-ministros. Fontes ligadas ao jornal O Globo afirmaram que o presidente Michel Temer (PMDB) e os ministros JHosé Serra (Relações Exteriores), Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) e Eliseu Padilha (Casa Civil) estariam entre os citados. Os nove meses de negociações da delação dos executivos deverão render ainda citações ao ex-presidente Lula, ao senador aécio Neves (PSDB-MG), dos governadores Geraldo Alckmin (PSDB, São Paulo), Fernando Pimentel (PT, Minas Gerais) e Luiz Fernando Pezão (PMDB, Rio de Janeiro). Pagamentos supostamente ilegais para as campanhas da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) também são mencionados, assim como acusações para os ex-ministros Antoio Palocci e Guido Mantega, ambos titulares da Fazenda nos governos Lula e Dilma. Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Sérgio Cabral, ambos presos, também forma alvo de denúncia da Odebrecht. Por exigência do procurador-geral Rodrigo Janot e de outros investigadores, todos os delatores tiveram que apresentar documentos para comprovar as fraudes e a movimentação do dinheiro desviado dos contratos com a Petrobras e outros setores da administração pública. Estão entre eles cópias de e-mails em que são tratadas obras irregulares e pagamento de propinas, extratos bancários e arquivos do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht - criada para facilitar o pagamento de propina. Os acordos firmados preveem prisão de dez anos para Marcelo Odebrecht, sendo dois anos e meio em regime fechado e o restante em semiaberto, com progressão para prisão domiciliar. Como está preso desde junho de 2015, Odebrecht mudará de regime em dezembro de 2017. Os demais delatores cumprirão prisão domiciliar, inclusive Emílio Odebrecht, pai de Marcelo. Os investigados deverão ser ouvidos em Brasília, Curitiba, Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador. Em nota, a Odebrecht disse que não se manifestará sobre o caso.

BN

Nenhum comentário: